quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A rainha Ginga

.
É imensa a fama da Rainha Ginga que viveu no centro de Angola na primeira metade do séc. XVII e ficou célebre, primeiro pela sua crueldade e imoralidade, e depois pela sua espectacular conversão à Fé Católica, em que tinha sido baptizada no início da idade adulta. Até há pouco tempo, porém, a sua fama só foi divulgada através de obras de ficção, faltando quase totalmente o estudo histórico da sua figura. Não admira assim que a Rainha Ginga se tenha transformado numa figura mitológica.
Dois mitos principais se formaram em torno da sua figura. O primeiro foi o da “santidade” da senhora, espécie de milagre propagado pelos missionários da altura, que apregoaram por todo o mundo a sua conversão de novo ao catolicismo. Um exame sumário dos acontecimentos revela logo que a “conversão” da Rainha teve em vista a aliança com os Portugueses, ajudada pelo apoio dos missionários que se encontravam na Matamba, os Capuchinhos italianos.
O segundo mito, mais recente, é o da figura patriótica, a Rainha querida do seu povo, que passou a vida lutando contra os colonizadores portugueses, defendendo a independência do seu povo. Também este mito não resiste a um estudo sumário. Ginga combateu os portugueses aproveitando-se da ferocidade dos aliados Jagas e possivelmente não era a Rainha querida dos seus súbditos que o mito representa. Nunca lhes deu boa vida, mas sobretudo sucessivas guerras com os portugueses e os aliados destes. Joseph A. Miller constatou em 1969 que a Rainha Ginga estava totalmente ausente das tradições orais da população actual das zonas onde viveu.
Entretanto, no séc. XX, foram publicitados textos que permitem conhecer a biografia e a personalidade dela com bastante detalhe.

É na Rua Rainha Ginga que podemos encontrar o nosso bom companheiro e amigo, Cardoso, um grande abraço para ele.

Sem comentários:

Enviar um comentário