terça-feira, 30 de novembro de 2010

Últimas do Lucunga

Fotografia: Filipe Botelho

José Bule
Uíge - 29 de Novembro, 2010

As ligações por estrada entre os 16 municípios da província do Uíge estão cada vez mais facilitados

O Governo do Uíge continua preocupado em melhorar as condições de vida da população. A circulação rodoviária está mais fácil com a recuperação de grandes extensões de estradas, o que permite um mais rápido e menos oneroso escoamento dos produtos agrícolas para os grandes centros de consumo. A rede hoteleira da província também cresce a um ritmo elevado e o abastecimento de energia eléctrica e água potável chega a um maior número de cidadãos. O sector industrial dá mostras de reanimação. Tudo junto permite uma vida melhor aos habitantes da provincia. A livre circulação de pessoas e bens já é um facto ao longo da estrada que liga o Negage ao Bungo, 31 de Janeiro e Damba. São 117 quilómetros de estrada asfaltada em excelentes condiçõews.As obras na estrada que liga o Uíge ao Mucaba, Damba e Maquela do Zombo, com 251 quilómetros, começaram em 2006 e devem estar concluída em 2011. Outra obra em curso é a da estrada que sai do Negage para o Quimbele, passando pelas sedes municipais do Púri e Sanza Pombo, e pela sede comunal de Macocola, município de Cangola. A estrada, cujas obras começaram em 2008, tem uma extensão 218 quilómetros. Estão a decorrer trabalhos em 194 quilómetros da estrada entre o Negage e o Lucala. Na província do Uíge estão em curso 972 quilómetros de estradas, no âmbito do programa do Executivo. Em 2005, começaram as obras de reabilitação da Estrada Nacional Nacional entre Kifangondo, Caxito, Uíge eNegage, com 371 quilómetros, 186 dos quais correspondem à província do Uíge, desde a ponte do rio Dange, zona limítrofe com a província do Bengo, até ao município do Negage.
Serviços de hotelaria
O sector hoteleiro ganhou outro rumo. A guerra impedia o progresso do sector, mas agora, depois da conquista da paz, vários projectos hoteleiros estão a ser executados. Nos últimos anos foram construídos 10 novos hotéis, oito pensões residenciais, igual número de restaurantes e 187 bares.Uma nova unidade hoteleira de referência, o Hotel Kwango, localizado na estrada que liga a cidade do Uíge ao Songo, é inaugurado nos próximos dias. O empreendimento tem 120 quartos e um condomínio habitacional. No final deste mês de Novembro, os municípios do Uíge, Maquela do Zombo e Negage começam a receber energia eléctrica a partir da barragem hidroeléctrica de Capanda. Os trabalhos, que consistem na montagem da linha de transporte e construção das subestações, estão já concluídos. Nesta altura o Governo Provincial desenvolve esforços para que, no próximo ano, a energia eléctrica proveniente da barragem hidroeléctrica de Capanda, na província de Malange, seja transportada também para os municípios do Bungo, Damba, Púri, Sanza Pombo, Milunga e Quimbele.O Governo projectou a construção de 37 mini hídricas para fornecer energia eléctrica aos municípios que não vão ser abastecidos pela barragem de Capanda. Oito destes projectos já foram aprovados pelo Ministério da Energia e Águas. A antiga estação de tratamento, captação e distribuição de água da cidade do Uíge, construída no período colonial, produzia seis mil metros cúbicos de água. A capacidade era insuficiente para satisfazer as necessidades dos 500 mil habitantes. Para minimizar a situação, o Governo construiu, recentemente, uma nova estação com capacidade para produzir oito mil metros cúbicos. São agora, no total, 14 metros cúbicos de água produzidos, que beneficiam mais de 200 mil habitantes do Uíge.As populações de algumas sedes municipais e comunais, aldeias e regedorias, também já têm água potável. O Governo Provincial, em parceria com ONG e a UNICEF, construíram sistemas de captação e distribuição de água potável nas comunidades.O “Projecto Água Para Todos” já chegou a algumas localidades dos municípios de Cangola, Púri, Songo, Bembe e Quitexe. Nas localidades de Nsosso (Damba), Quibocolo (Maquela do Zombo), Kinvuenga (Songo), Quisseque e Dimuca (Negage), Aldeia Quisseque Novo (Púri), Cuilo Pombo (Sanza Pombo), Lucunga (Bembe) e na sede municipal dos Buengas, o projecto está em curso. O objectivo é melhorar a condição de vida dos habitantes destas localidades.
Relançamento da indústria
O Executivo elaborou um programa de relançamento do sector industrial no Uíge. Na província o programa vai abranger os 16 municípios. O Negage, que vai albergar o pólo industrial da província, foi eleito como ponto de partida desta grande empreitada. Ainda no Negage, o Executivo pretende construir uma fábrica de chapas de zinco, uma serração, uma cerâmica, uma fábrica de produção de sumos e outra de tintas e vernizes. Negage conta já com uma cerâmica privada com capacidade para produzir mais de oito mil tijolos dia. Actualmente, uma empresa angolana investe mais de dez milhões de dólares para a construção de quatro unidades industriais, cujas obras prosseguem até ao ano de 2014. Uma das unidades vai produzir colchões de espuma e material de espuma para uso industrial, enquanto a outra deve produzir material de plástico para uso doméstico e industrial e tubos para a construção civil.A população do Uíge tem tudo para voltar a sorrir. Está em marcha acelerada a reconstrução de uma província que estava muito destruída. Uíge “corre” para voltar a ocupar o lugar que lhe pertence. Os mais de dois milhões de habitantes da província acreditam numa vida melhor.

O Fafe com o "ajudante da enfermaria"

(clicar na foto)

O jovem que acompanha o Fafe era um ajudante da enfermaria. As crianças do Lucunga passavam muito tempo junto da tropa, ajudavam, comiam, eram dóceis e amigos.

Chegou-nos a notícia de que há uma nova enfermaria no Lucunga, espero que também existam profissionais capazes de cuidar os doentes naquela terra, agora, mais habitada com os retornados do Congo.
Eram os feiticeiros que tradicionalmente cuidavam dos doentes, faziam-lhes tantas "patifarias" que acabavam com eles em pouco tempo. Recordo-me dum episódio na sanzala do Lucunga, em que o feiticeiro em 3 dias, matou o paciente.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Deputada Cidinha Campos



Era duma deputada como esta que os companheiros da CART 3451 e os portugueses em geral precisavam, capaz de desmascarar a cambada que nos governa...

domingo, 28 de novembro de 2010

O Miko mais o Cardoso

(clicar na foto)

Grande dupla de enfermeiros, o Miko e o Cardoso, comodamente instalados a ler. O mobiliário, como se pode ver, é de qualidade, fabricado a partir de caixotes e pipas.
Naquela época, o serviço militar era obrigatório, ninguém reclamava, usava-se o engenho e arte para nos acomodarmos melhor. A sobrevivência era a palavra de ordem.

sábado, 27 de novembro de 2010

Alouette III

Foi numa máquina destas que fui evacuado, durante uma operação, na serra da Mucaba.
A tensão era enorme, as minas anti pessoais obrigavam-nos a andar sempre a corta mato, com a sensação maluca de andar com os pés às costas...
Apesar de todos os cuidados, as minas foram fazendo vítimas no pessoal do Batalhão, o pessoal da CART 3451 teve sorte, muita sorte, basta recordar o episódio do Ferreira que accionou um engenho e só rebentou o detonador, fantástica a estrelinha da Companhia.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

DO 27

A DO27 era um avião militar que nos visitava com alguma regularidade no Lucunga, em missões de apoio à Companhia. Era um avião antigo que tremia muito quando levantava voo, parecia-me pouco seguro.

Em Fevereiro de 1972, o meu amigo Alf.Pilav. Victor Manuel Caldeira Pinto, morreu na Guiné, ao despenhar-se, quando pilotava uma DO27. Quando nos despedimos, uns meses antes, ele disse-me, ainda bem que escapei aos tiros indo para a Força Aérea. Afinal, o meu bom amigo de infância Caldeirita, acabou perdendo a vida ingloriamente na Guiné...maldita guerra.

domingo, 21 de novembro de 2010

Os bananais


Havia operações nas serras do Andimba e Mucaba com o fim de destruir bananais e não só...o objectivo, dificultar a sobrevivência ao IN.
Uma vez, andávamos há vários dias na Mucaba, debaixo de chuvas diluvianas quando apareceu a DO27 com o comandante operacional do Batalhão, major Alves de Sousa.
Prepotente, este senhor, mandou-nos subir para o topo da serra para destruir um bananal, esqueceu-se que estávamos esgotados, tínhamos acabado de descer a serra e já era tarde...deram-me ganas, vontade de o mandar bugiar...questionava-me, o que estou a fazer aqui ?
Recordações tristes duma guerra sem sentido.

sábado, 20 de novembro de 2010

O Fafe à civil

(clicar na foto)

Nesta foto, o Fafe andava à civil, pela sanzala da Lembôa, o que andaria ele a fazer naquelas paragens ?
Muito trabalho tivemos para o localizar, acabámos descobrindo a sua morada no Barreiro.
Os FALCÕES voaram para todos os lados.
O Álvaro Pacheco, "Fafe" é assim, apelidado por ser natural de Fafe. Na tropa, era um hábito, conhecer alguns companheiros pelo nome da sua terra.

Recordo o "Barcelos", um companheiro muito amigo, muito educado, sempre disponível, tinha um fraco pela bebida...dizia-me muitas vezes que bebia muito para esquecer, só bebendo aguentaria estar ali, naquela situação, no Lucunga. Infelizmente, este bom companheiro, já faleceu.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Os 747B da TAP



Este foi o 747B da TAP que me trouxe de férias a Portugal, em Agosto de 1972.
Com o fim das colónias, aviões desta envergadura, deixaram de fazer sentido na frota da transportadora aérea nacional.
O 747B era um avião enorme, transportava 398 passageiros e vinte e tal tripulantes, um verdadeiro gigante dos ares.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Miss Angola

(clicar na foto)
Em Angola sempre houve apetência para concursos de beleza, tanto no período colonial como agora.
A foto, para alegrar os companheiros da CART 3451, é da nova "miss Angola".
Em Angola, na época colonial, os povos do interior e não só, usavam o "Alambamento", uma prática em que cada homem, podia ter as mulheres que pretendia assim, tivesse dinheiro para pagar o dote à família da noiva.
É de esperar que em Angola, não aconteça a prática tristemente oficializada em Portugal de casamentos entre gente da mesma espécie...isso só acontece em países decadentes, com políticos híbridos, como o nosso.

domingo, 14 de novembro de 2010

O Fafe e o Ferreira

(clicar na foto)

Mais uma foto do Fafe, desta vez acompanhado pelo Ferreira. O que será feito do Ferreira ? Nunca mais soubemos dele embora, tenha sido localizado e contactado através do convite para o ENCONTRO 2010, infelizmente, nada disse.

Há muitos companheiros com os quais perdemos o contacto, importa avisar toda a gente que a CART 3451 tem mobilização anual, por volta do 1º sábado do mês de Março.

sábado, 13 de novembro de 2010

O Sousa e o capim

(clicar na foto)



Mais uma foto do Sousa, com o seu ar de menino de vinte e poucos anos.

Ao redor deste companheiro podemos ver o capim, a vegetação que envolvia o Lucunga. Na época das queimadas, ardia rapidamente, proporcionando espectáculos impressionantes.

No Lucunga, o capim era cortado com regularidade até ao arame farpado, quando começava a rebentar apareciam veados e afins a pastar... era bonito.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

As potentes máquinas da guerra

(clicar na foto)

Os helicópteros visitavam o Lucunga regularmente por motivos diversos, patrulhavam a bacia do rio M'bridge utilizando forte aparato bélico, o heli-canhão. Também faziam evacuações e transportavam pessoal para operações.

As máquinas voadoras eram motivo de curiosidade de todos os companheiros, na foto, podemos ver entre outros o Russo, Matos, Fafe, Santos Silva.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Cabo Verde-Terra de companheiros



Muitos dos companheiros da CART 3451, eram oriundos de Cabo Verde, gente amiga e colaborante, alguns aparecem nos encontros anuais, Martins, Veiga, Cabral, da maior parte infelizmente, nada sabemos.
Recordo o Inácio, Capistrano, Cardoso, Silva, Lopes, Malaquias, Tavares, Ferreira pessoal do 4º GC.
Recentemente falei pelo telefone com o Félix, estava com o Sousa, vive em Cabo Verde, está bem, com a genica de sempre.

domingo, 7 de novembro de 2010

2º Encontro da C.Caç.106-Lucunga-Angola 1969/70



A 5 de Maio de 2007 realizou-se o 2º Encontro da C.Caç 106-Lucunga-Angola 1969/70 nas Caldas da Rainha.
Não há registo do 1º Encontro da C.Caç. 106 assim, este vídeo encerra o ciclo de vídeos dedicados à C.Caç. 106.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

3º Encontro da C.Caç.106-Lucunga-Angola 1969/70



3º Encontro do pessoal da C.Caç.106-Lucunga-Angola 1969/70, realizado em Carcavelos a 12 de Julho de 2008.
Mais um bom trabalho do Adelino Almeida, parabéns.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

4º Encontro da C.Caç.106-Lucunga-Angola 1969/70



Mais um vídeo da C.Caç.106, desta vez é do 4º Encontro, realizado na Anadia, em 24.09.2009.
O Lucunga sempre presente.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

C.Caç. 106 - Lucunga - Angola 1969/70


(com som)
Tocou a reunir, a C.Caç. 106 - Lucunga - Angola 1969/70, o evento decorreu no dia 30de Outubro pp, nas Caldas da Rainha, o autor do vídeo é o companheiro Adelino Almeida que merece parabéns pelo trabalho desenvolvido.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O nosso blogue


(clicar na foto)

As visitas ao nosso blogue são animadoras, a contagem começou a meados de Março e estamos a chegar ao acesso 6.000.

Tenho pena que os companheiros não colaborem mais, vão aparecendo e isso já satisfaz. Recordo que o principal objectivo do blogue é que haja um ponto de contacto para todos que fizeram parte da CART 3451, para todos os FALCÕES do BART 3860 e para aqueles que um dia passaram pelo Lucunga, durante o período da guerra colonial.