domingo, 28 de fevereiro de 2010

Meninos do Lucunga


(clicar na foto)
Foto com 2 habitantes do Lucunga, os militares sempre se socializaram com a população local, essa foi uma das acções meritórias da tropa portuguesa em África, a CART 3451 não fugiu à regra. Se bem me lembro, o jovem que se vê à esquerda, é filho ou sobrinho do Raul, o guia.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Lêmboa - Belezas naturais

Quem andou pela mata, encontrou sítios paradisíacos, estas quedas de água na região da Lêmboa são exemplo disso. Foi pena, não termos conhecido estes sítios em circunstâncias diferentes, em turismo, teríamos oportunidade de apreciar belezas naturais ímpares.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Agostinho + Salvador

(clicar na foto)
Mais uma foto no Lucunga, junto à porta de saída para a pista, com 2 camaradas do 4º grupo, o Agostinho e o Salvador, gostava muito de os rever, em Leiria dia 13 de Março, no ENCONTRO 2010.
O Agostinho já apareceu nalguns encontros é do norte mas, vive na Suíça, será difícil estar presente.
O Salvador, natural do Touro, Vila Nova de Paiva onde penso contínua a residir, nunca mais o vi desde o nosso regresso, seria bom que aparecesse.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Cardoso - o açoriano

(clicar na foto)
Esta foto foi tirada na Cortegaça, durante a semana de campo.
O Cardoso açoriano de Angra do Heroísmo, já veio a um encontro, espero que apareça, em Leiria. Entendia-me bem com este camarada, era amigo e bem disposto, festejei com ele os seus anos em 29 de Fevereiro de 1974, grande jantarada num restaurante da ilha de Luanda, nunca mais me esqueci.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

O nosso blogue

O nosso blogue tem pouco tempo de vida mas, tem sido muito visitado, fico contente, desde que coloquei o contador, é possível fazer essa avaliação.
Gostava que houvesse mais comentários, mais textos e fotos dos camaradas Falcões mas, vamos avançando com o material que temos. Quem quiser colaborar, é só mandar fotos, textos, vídeos que logo serão postados.
Espero que o ENCONTRO 2010 dê um empurrão ao blogue, que mais camaradas o visitem e encontrem nele um elo de ligação, aos nossos vinte e tal anos e às nossas vivências conjuntas, em terras angolanas.

Cardoso - Cabo verdiano

(clicar na foto)
Foto tirada na Cortegaça, com o camarada e amigo Cardoso. Nunca mais o vi depois do nosso regresso, provavelmente vive em Cabo Verde, sua terra natal. Era e continuará a ser uma pessoa alegre, simpática, sempre disponível, gostava muito de o rever, um dia será possível.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Mucaba-João Celestino

(clicar na foto)
Aonde eu me encontro na Vila de Múcaba, a casa anterior era o Bar Kat Kero. e ao fundo na parte central da Avenida é o torreão.

A VILA DE MÚCABA

A Vila de Múcaba, era constituída por uma Avenida com duas faixas de rodagem, sendo o seu separador central constituído pelos postes de iluminação pública, o piso era em terra batida, existiam 18 casas de cada lado e mais outras 4 na sua retaguarda destas com o respectivo arruamento.

No início da Avenida (do lado de quem vinha do Bungo), encontrava-se o TORREÃO (posto de vigia Militar), mais ou menos ao meio do lado esq. era a Messe de Sargentos, e no fim havia um cruzamento , do lado esq. existia o Bar Kat Kero, que era muito frequentado pelos camaradas de armas, e a cerca de 100 m. existia a famosa IGREJA DE MÚCABA, aonde os colonos em 1961 se barricaram, e ainda o campo de futebol, do lado dto. do referido cruzamento existia uma antiga escola que servia de camarata a dois Grupos de Combate (não tinham um mínimo de condições), logo a seguir era o Posto Administrativo de Múcaba e o Quartel, em frente ao Posto Administrativo ainda existia a escola primária.

João Celestino

Lêmboa - Brás

(clicar na foto)

Foto com o Brás, na Lêmboa. Este camarada aparece raramente, espero que não falte ao ENCONTRO 2010. em Leiria.

A Lêmboa é uma localidade, onde a Companhia tinha um destacamento. O sítio era calmo, servia para o pessoal descansar, as operações eram curtas, fazíamos protecção aos mercados e apoiávamos a população.

O enfermeiro Mico trabalhava muito, fazia muitos curativos, dava muitas injecções, até servia de parteiro. A zona da Lêmboa era mais povoada que a zona do Lucunga, a acção social de apoio à população foi primordial. O relacionamento com a administração civil, com toda a população em geral, era bom.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Contagem decrescente



Já li o livro, "Contagem decrescente" e gostei. De leitura fácil, o nosso camarada FALCÃO da 3450, Nogueira Baptista, relata as suas inquietações, vivências, sonhos e ambições à namorada Lurdes, sua actual esposa.

Aconselho a leitura deste livro, os FALCÕES, encontrarão relatos de acontecimentos vividos durante a missão, nós fizemos parte da história e ela enriquece o povo português.
Quem estiver interessado na "Contagem decrescente" ou noutros livros do autor, poderá fazer as suas encomendas através do site http://www.nogueirabaptista.com/ , boa leitura.

Vera Cruz-Reis Pinto+Lopes

(clicar na foto)

Foto tirada durante a viagem para Angola, junto à piscina vazia do Vera Cruz. Estou em primeiro plano com o Reis Pinto (grande Pintufo), ao lado direito, o Lopes, o que será feito deste camarada, provávelmente está no estrangeiro, em Portugal, não deixou rasto.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Mico - o enfermeiro

(clicar na foto)

Na foto com o Firmino (O Mico). Mais um que não tem aparecido, desta vez espero que aceite a mobilização e esteja presente no ENCONTRO 2010. O Mico, como carinhosamente o tratamos, é
um rapaz alegre, sempre bem disposto, não irá faltar.
Como enfermeiro, sempre ajudou os seus camaradas, as populações do Lucunga e da Lêmboa que careciam de cuidados de saúde. Aliás, a prestação de cuidados de saúde primários às populações, foi um dos aspectos importantes da nossa Companhia, sem a tropa, os civis estariam entregues aos feiticeiros.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

O NOSSO S.P.M. (CORREIO) EM MÚCABA

A nossa maior ansiedade em Múcaba era a chegada da avioneta com o nosso correio, creio eu que seria assim em todas as Companhias, a avioneta ia oficialmente duas vezes por semana, mas os Pilotos quando faziam alguma viagem por ali perto, faziam o favor de fazer um desvio para nos entregar a correspondência.

Por motivos de segurança, o Piloto sobrevoava Múcaba à espera que alguém chegá-se à pista, os Militares, Pessoal da Administração ou até os civis.


Um dia havia uma operação marcha e não havia nenhuma viatura no Quartel, e o Piloto sobrevoava Múcaba mas não havia movimento de viaturas para a pista, o Piloto já dava indícios que se ia embora, e nesse momento o Cabo Carvalho da Ferrugem , vê o Jipe do Sr. Comandante junto à Messe de Oficiais e chama-me para irmos à pista num instante, o Piloto apercebeu-se da nossa saída do Quartel, o Carvalho começa a andar em alta velocidade (PREGO AO FUNDO) pela picada, numa curva despista-se e entramos pelo capim dentro, era só buracos de um lado e do outro, dava-mos cada salto e por pouco que não capotamos, fomos sair junto à porta do Cemitério de Múcaba e entramos novamente na picada, quando chegamos á pista o Piloto diz-nos vocês iam tendo um acidente ? o Carvalho responde-lhe com uma grande descontracção NÃO, NÓS É QUE VIEMOS POR AQUELE ATALHO, PORQUE ERA MAIS RÁPIDO, E O SENHOR IA-SE EMBORA COM O NOSSO CORREIO.

Nota:- Ao fim de 37 anos é que esta história é contada, um abraço para o Carvalho e não digas nada a ninguém.

João Celestino

Estrada Songo/Lucunga

Uíge
Melhora circulação no troço rodoviário Songo/Lucunga

Uíge - A circulação de pessoas e bens no troço rodoviário que liga a vila do Songo à comuna de Lucunga, município do Bembe, Norte da província do Uige, melhorou significativamente nos últimos dias, face as obras de terraplanagem que está a beneficiar a referida via, constatou hoje, terça-feira, à Angop. A reabilitação do troço com um percurso de 78 quilómetros está a cargo de uma empresa Italiana, cuja terraplanagem está quase concluída aguardando-se a colocação do asfalto neste ano. O trabalho satisfaz os automobilistas que diariamente percorrem o referido troço, de acordo com o automobilista Congo Salakiako, a viagem Uíge Lucunga e vice-versa está muito facilitada, quando tempos atrás constituía grande dificuldade na circulação para os automobilistas, devido o seu estado avançado de degradação. Dongala Garcia, outro automobilista que faz constantemente o mesmo percurso, enalteceu o esforço na reabilitação das estradas. Louvou ainda a qualidade do trabalho que está a ser feito no referido troço, cuja viagem anteriormente durava seis à sete horas, contra actualmente uma hora que está a ser feita.
___________________

Esta notícia já tem um ano mas, é de espantar, será verdade que a picada Songo/Lucunga virou estrada ? Tenho de perguntar ao amigo do Lucunga, EngºTomás Gonga.

Correia e o gerador

(clicar na foto)

O Correia não tem aparecido aos encontros da Companhia, caso não responda ao convite, vou ter de o contactar, a mobilização é geral.

Na foto, estou com o Correia junto do gerador, se bem me recordo, era ele que fazia a sua manutenção.

Na mesma altura, estava na cantina fazendo parelha com o Lopes que era o responsável.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Comandante da Companhia de Artilharia 3451

(clicar na foto)
O Comandante da Companhia irá estar presente no ENCONTRO 2010.

Em grande forma, aceitou a mobilização para o dia 13 de Março.

Impossibilitado devido a problemas de saúde, não esteve em Turquel em 2009, já recuperado, estará presente, este ano, em Leiria.

Na foto, o miliciano mais antigo da Companhia, a receber a insígnia do Batalhão, colocada pelo Comandante da Companhia, Agosto de 1971, em Viana do Castelo

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Carreira de tiro de Espinho

(clicar na foto)
Passámos uma semana na carreira de tiro de Espinho, era fundamental o treino, estávamos mobilizados para a guerra.
Gastei muita munição, o medo impunha uma preparação cuidada, a sobrevivência era palavra de ordem.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Cabo-verdianos do 4º grupo

(clicar na foto)

Na foto estou com o pessoal cabo-verdiano que fazia parte do 4º grupo, gente boa e amiga.

Nos nossos encontros anuais, costumam estar presentes o Martins e o Veiga, dos outros pouco sabemos. O Malaquias parece viver na zona de Lisboa, em Corroios, o Cardoso, o Ferreira, o Inácio, o Capristano, o Leal, o Lopes, o Tavares e o Silva, provavelmente vivem em Cabo Verde, daqui vai uma grande abraço para todos.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

4º Grupo de Combate


Esta foto, foi tirada em 4 de Agosto de 1971, em Vila Nova de Gaia, no RAP 2. Estávamos de abalada para o Forte de S. Julião da Barra, em Viana do Castelo, onde íamos fazer o IAO.
A preparação foi intensa e cuidada, as dúvidas eram muitas, tivemos de cuidar do físico, adquirir e transmitir conhecimentos das "coisas" da guerra.
Os "crosses" eram feitos até Avintes, subíamos a Avenida principal de Vila Nova de Gaia depois, seguíamos pela estrada. Na época isso era possível, o movimento rodoviário permitia a corrida da tropa. A aplicação militar e a restante instrução, era feita nas imediações e na parada do quartel.
No fim da instrução diária, todos tinham de tomar banho, era necessário incutir hábitos de higiene, havia pessoal que se baldava.
Junto ao quartel de Gaia existia, não sei se existe, o "Café-Restaurante Mucaba", coincidência, a Mucaba começava a estar no nosso caminho.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Grupo de GEs

GRUPO DE G.E. EM CONTACTO COM O IN.


Durante a nossa comissão de serviço, foi criado em Múcaba um Grupo de G.E., com a finalidade de nos auxiliar nas zonas operacionais.

Numa certa operação na Serra de Múcaba, quando o Grupo já se encontrava no 2º ou 3º dia da mesma, comunicaram que se encontravam em contacto com o in, e pediam auxilio em virtude de já terem esgotado as suas munições, é pedido o apoio aéreo a Negage e passado pouco tempo aparece no céu e a sobrevoar o Quartel um avião FIAT, a pedir a confirmação das coordenadas do Grupo de G.E., ao receber a confirmação o mesmo segue para o seu objectivo, no regresso sobrevoa novamente o Quartel e informa que a sua missão foi cumprida.

Existe um silêncio absoluto de Trânsmissões do Grupo de G.E., o Sr. Comandante da Cart. insiste com o Operador de Trânsmissões para se tentar de todas as maneiras o contacto, tudo é feito, (eu ainda me lembro bem, que estive mais de uma hora a chama-los) mas os mesmos não respondiam, aproxima-se a noite e quando eu regresso à Messe de Ofícias verifiquei que o Sr. Comandante estava um pouco abatido e pergunta-me se já tinha havido algum contacto, o que eu lhe respondi negativamente, num acto de desilusão e de desabafo diz, será que o Piloto se teria enganado nas coordenadas e mandou o material para cima dos G.E ?.

É noite, chega a notícia à Messe de Ofíciais pelo operador de Trâsmissões a informar que o Grupo de G.E. entrou em contácto, e a informar que já se encontravam numa fazenda (cujo nome não me lembro), e a pedirem o seu transporte para o Quartel, o que foi executado pela manhã.


João Celestino

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Viagem

(clicar na foto)

A 17 de Novembro de 1971, o Vera Cruz deixou Lisboa, rumo Angola, levava 2.000 e muitos homens.
O cais estava cheio de familiares e amigos, a despedida foi difícil, nunca mais esquecerei o choro, o sussurro diabólico que foi desaparecendo com o afastamento do navio, a caminho do mar alto.
Durante a viagem foram acontecendo alguns factos relevantes, primeiro um militar atirou-se ao mar, provavelmente não queria enfrentar a guerra, esta situação obrigou a uma paragem para deixar o infeliz, na ilha da Madeira.
Mais à frente, um tripulante confuso, também se atirou ao mar, teve sorte, foi visto a tempo de ser recolhido pelo navio, este facto aconteceu quando chegámos ao golfo da Guiné.
No referido golfo, fomos escoltados por uma fragata da marinha, não fosse o diabo tecê-las.
Entretanto, ouvíamos música, jogávamos loto, bebíamos e ansiosamente esperávamos, pela notícia do local onde iria ficar a companhia.
A notícia chegou finalmente, o Lucunga era o destino que se afigurava terrível, logo apareceu a revista Paris-Match, onde se podia ver a reportagem da famosa emboscada na picada Lucunga/Bembe.
Pessoalmente fiquei apreensivo, o objectivo era fintar o perigo, regressar são e salvo...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Encontro 2010


(clicar nas imagens)
O ENCONTRO 2010, está em andamento, todos os FALCÕES da CART 3451 vão receber o "Convite" para a mobilização geral, em 10 de Março.
Claro, todos os FALCÕES do Batalhão estão convidados, é só fazerem a sua inscrição.
A missa em Fátima é às 11 horas, celebrada na Igreja da Santíssima Trindade, será feita uma referência ao ENCONTRO da 3451.
Temos o patrocínio generoso da AUTO-JÚLIO, empresa do camarada e amigo António Júlio Guedes de Sousa, "o Sousa das transmissões".
A "operação" está montada, nada de baldas , esperamos por todos.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Férias 1972/Agosto

Na foto o Sousa e eu, sempre companheiros de viagem, de partida para férias. Primeiro o voo no avião do Aero Clube do Uíge até Carmona, depois o voo na DTA até Luanda, uns dias depois o voo no 747 da TAP até Lisboa finalmente, o Sousa rumo às Caldas da Rainha, eu rumo a Coimbra.

Felizmente, continuamos a viver nas nossas terras de origem, junto dos nossos, um privilégio. Amanhã almoçaremos a meio caminho, em Leiria, para prepararmos o ENCONTRO DE 2010 DA CART 3451.

Mais pormenores do ENCONTRO 2010 nos próximos dias