terça-feira, 30 de agosto de 2011

Redução da mortalidade materno-infantil no Lucunga


Mortalidade materna infantil reduz significativamente no Bembe

Uíge - O índice de mortalidade materna infantil no município do Bembe, província do Uíge, reduziu significativamente nos últimos dias, fruto do aumento de parteiras tradicionais nas comunidades, enfermeiros nas diversas unidades sanitárias e a sensibilização das mulheres nas várias localidades da região sobre as medidas de prevenção.

A informação foi avançada hoje à Angop pelo director clínico do hospital municipal do Bembe, Batoba Mansiamina, quando fazia o balanço dos pacientes atendidos nas diversas unidades sanitárias do município durante o segundo trimestre do ano em curso.

Batoba Mansiamina disse que, durante os últimos três meses, as autoridades sanitárias da circunscrição registaram apenas um caso de morte materno infantil, acrescentando que a sensibilização da população sobre medidas de prevenção, a frequência das mulheres às consultas pré-natais, o uso de alimentação adequada a crianças, o aumento de técnicos capacitados nas unidades sanitárias e parteiras tradicionais nas comunidades estão na base dessa redução.

Apontou ainda a abertura de mais centros e postos de saúde com salas de partos nas comunas de Lucunga, Quimaria nas localidades de Totó, Vale do Loge e nas diversas regedorias, como sendo outras medidas de prevenção de vários casos.

“As parturientes são atendidas localmente sem grandes constrangimentos, uma vez que as unidades sanitárias possuem enfermeiros capacitados”, disse, acrescentando que os bebés ao nascerem nas diversas unidades hospitalares são vacinados contra poliomielite, BCG e mais outros cuidados médicos para evitar várias doenças neonatais.

Aconselhou as mulheres no sentido de afluírem as consultas pré-natais, com vista a garantir segurança na saúde dos bebés e as mães que têm feito partos em casas, tendo em conta o perigo daí decorrente.

domingo, 28 de agosto de 2011

Postal do Songo

O Songo era uma vila arrumada, as ruas ordenadas tinham alcatrão, existia um jardim bem cuidado, como se pode ver neste postal.
A proximidade de zonas de conflito, impunha a existência de tropa... muita tropa. Existiam os FLECHAS a CART 3411 e a Guarda Rural. A zona era rica, muitas fazendas dedicadas à cultura do café, com trabalhadores vindos do sul, Bailundos...muitos madeireiros, gente com dinheiro.
O pessoal da CART 3451 passava regularmente no Songo, quando lá chegávamos, o itinerário era livre, todos ficávamos mais tranquilos...

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Zé Ernesto Pereira da Silva

Ontem, encontrei o Pereira da Silva no facebook, fiquei contente por saber que está bem, cheio de energia para desenvolver actividade intensa em prol da comunidade.
O Pereira da Silva vai continuar a aparecer no nosso blogue, com fotos, histórias da nossa vivência africana, é fundamental manter a "ligação" com todos os companheiros.
A foto é actual, o acompanhante do Pereira da Silva não carece de apresentação, toda a gente que gosta de "bacalhau e alho", o conhece.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Os meninos do Lucunga com o MIKO

Na foto, o companheiro MIKO com alguns meninos do Lucunga. Reconheço o menino da esquerda, o Ambrósio. Estes meninos eram acarinhados, não lhes faltava comer e assistência médica, imagino as privações que passaram depois da saída da tropa portuguesa.
Hoje, acredito que com Angola pacificada, os meninos do Lucunga, podem ter esperança num futuro melhor.

domingo, 21 de agosto de 2011

Viana do Castelo-Nª Senhora da Agonia



Hoje, é o dia grande das Festas da Senhora da Agonia, em Viana do Castelo, cidade de tão gratas recordações para o pessoal da CART 3451. O vídeo serve para recordar as festas, vividas por nós, em Agosto de 1971, há 40 anos, antes da partida para Angola.

sábado, 20 de agosto de 2011

Viagem ao Lucunga-Proposta

EX-MILITARES DA COMPANHIA DE ARTILHARIA 3451

Viagem a Angola - Data a combinar

Proposta:
1º Dia - Lisboa-Luanda. Viagem em avião da TAP, com partida às 22h30 e chegada às
06h00, com jantar e pequeno almoço a bordo.
2º Dia - Luanda – Alojamento em hotel de ¾ estrelas, com serviço MP, jantar e
Pequeno almoço.
Circuito turístico em Luanda.
3º Dia - Luanda – Uíge. Viagem de avião, voo doméstico TAAG se possível ou
Viagem em viaturas 4 x 4 de 5/7 lugrs ou VAN de 15 lugrs.
Alojamento em hotel/pensão, em Uíge, regime de MP, jantar e pequeno almoço.
4º Dia - Uíge – Lucunga - Uíge. Viagem em viaturas 4 x 4 5/7 lugrs ou VAN 15 lugrs ,
“A ração de combate” é por conta de cada um.
5º Dia - Uíge. Circuito turístico.
6º Dia - Uíge – Luanda. Alojamento em hotel de ¾ estrelas, regime de MP, jantar e
Pequeno almoço.
7º Dia - Luanda. Circuito turístico.
8º Dia - Luanda – Lisboa/Porto. Viagem de avião, voo TAP com saída às 15h30,
Jantar a bordo.
………… ///////………..
- A viagem em voo doméstico Luanda – Uíge – Luanda parece ser complicada, é mais seguro optar por viagem de carro.
- Parece não haver possibilidade de aluguer de carros no Uíge, para a viagem ao Lucunga, assim, será mesmo necessário viajar de carro a partir de Luanda.
- Em Uíge, o alojamento é limitado, há poucas alternativas.

- É fundamental a opinião de todos para a escolha do melhor programa.
- É necessário ultimar os pormenores depois, passaremos à fase seguinte de pedir propostas a três operadores turísticos em Portugal e à Associação Viagens e Operadores Turísticos de Angola.
- Entretanto, é importante saber quais os eventuais interessados na viagem.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Songo

Mais uma foto do Songo, aqui começava o alcatrão, era passagem obrigatória a caminho de Carmona-Negage.

Com o aproximar do fim da comissão, resolvi pedir emissão de passaporte, no governo civil do Uíge. Entreguei os documentos necessários para o efeito, era minha intenção fazer uma viagem após o "degredo" no mato africano.
Um dia, recebi no Lucunga, uma comunicação, para me apresentar na PIDE do Songo. Fiquei aflito, sem saber o que se passava, imaginei coisas do arco da velha... afinal, eles pretendiam saber para que queria eu o passaporte. A temível PIDE, metia sempre, o bedelho na vida dos portugueses.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Aplicação do programa melhora vida de cidadãos



Administrador; José Bumba Alberto
Aplicação do programa melhora vida de cidadãos
José Bule Bembe - 11 de Agosto, 2011
Vários projectos de impacto social estão a ser aplicados no município do Bembe, uma localidade que dista cerca de 135 quilómetros da sede provincial do Uíge, com vista à melhoria da vida dos habitantes daquela localidade e arredores. O administrador José Bunga Alberto disse que o Programa Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza está a contribuir de forma positiva na materialização dos diferentes projectos de desenvolvimento socioeconómico em curso na região, além de outros já concluídos.A administração está a consolidar uns e a iniciar outros, no domínio da educação e saúde. No primeiro sector, disse José Bunga Alberto, foram construídas, reabilitadas e apetrechadas várias escolas na sede municipal, nas comunas, regedorias e aldeias do município do Bembe.O responsável avançou ainda que foi construída e apetrechada uma escola de três salas na aldeia Masselele, bem como se realizou obras de reabilitação, ampliação e apetrechamento de uma outra de quatro salas, na sede municipal.O administrador José Bunga Alberto disse que se construiu igualmente uma escola de seis salas, na localidade de Gulen, cuja obra arrancou com os fundos do Programa de Intervenção Municipal.A regedoria do Vale do Loge também beneficiou do referido projecto. Nesta localidade, acrescentou, a administração reabilitou uma escola de duas salas e construiu outra de seis, na aldeia Quincunga, comuna do Lucunga.
Quanto à educação, o administrador municipal do Bembe salientou que a situação, no passado, era bastante crítica, tendo em conta que nas aldeias, por exemplo, centenas de alunos dependiam de um único professor, bem como existia uma grande carência de salas.Recentemente, o município ganhou mais de 80 professores, que vão ajudar a superar as dificuldades existentes e que participam, neste momento, num seminário de capacitação para aprimorarem as técnicas pedagógicas a serem utilizadas durante o exercício da profissão. José Bunga Alberto afirmou que no Bembe não existem crianças fora do sistema normal de ensino, embora haja um grupo de alunos que estuda ao relento ou debaixo de árvores, uma vez que o número de escolas ainda é insuficiente para suportar a demanda de meninos matriculados no município.
Saúde caminha bem
Em relação à saúde, segundo o administrador, estão concluídas as obras de reabilitação e apetrechamento do centro materno-infantil do Lucunga e está a ser construído e apetrechado um posto médico na regedoria do Pombo Matombe, um posto de saúde na aldeia Macoco e outro na localidade de Quincunga.Os mesmos estão a melhorar consideravelmente os serviços de assistência sanitária prestados às populações locais, antevendo-se mais melhorias quando terminar a obra de reabilitação do edifício de medicina geral. O município tinha apenas uma unidade sanitária, um centro de saúde, estando agora a criar todas as condições infra-estruturais para transformar o antigo estabelecimento clínico num hospital municipal de referência. A nova unidade está a ser ampliada para oferecer serviços de radiologia, hemoterapia, pediatria, bloco operatório, salas de internamento, ortopedia, estomatologia, entre outros.O administrador avançou que alguns equipamentos de origem italiana já foram adquiridos para apetrechar as diferentes áreas de funcionamento do novo hospital, cujas obras caminham para o fim. No quadro do Programa de Melhoria da Qualidade e Cuidados dos Serviços de Saúde, a administração municipal do Bembe está a tratar da contratação de profissionais para aumentar o número de técnicos na localidade. Bembe possui apenas 32 enfermeiros e três médicos, sendo dois estrangeiros. Conta ainda com seis técnicos, admitidos no último concurso público, estando prevista a contratação de outros.
Agricultura em alta
No domínio da agricultura, o município está a caminhar bem. Mais de 300 hectares de terra foram preparados e distribuídos aos camponeses associados e pessoas individuais capazes de desenvolver a actividade agrícola.O município possui mais de 20 cooperativas e associações de camponeses, que acolhem centenas de agricultores que estão a ser mobilizados para aderirem aos diferentes programas de financiamento bancário em curso no país, como é o caso do “Crédito Campanha Agrícola”. Mandioca, ginguba, banana, feijão, batata doce e rena, laranja, tangerina, abacaxi e hortícolas são os principais produtos cultivados no município do Bembe.
Vias de acesso
Há necessidade de reabilitação de três vias. A primeira prioridade, de acordo com o administrador municipal, é o troço que liga Ntoto à comuna de Quimaria, cuja obra já está em curso. A segunda refere-se ao Lucunga/Uandi Sungo, e depois a via que liga o Ntoto ao Vale do Loge.A intransitabilidade nestas vias condiciona o processo de escoamento dos produtos cultivados em cada uma dessas localidades. Neste momento, segundo o administrador José Bunga Alberto, os agricultores locais produzem apenas pequenas quantidades de produtos, que vão de encontro com as suas capacidades reais de comercialização e consumo.
Energia e água
A água jorra nas torneiras dos chafarizes instalados no município do Bembe, no quadro do programa “Água para Todos”. No Bembe, o fornecimento do produto aos munícipes é feito através de um sistema de captação, bombagem e distribuição instalado na sede do município.Sobre a energia, José Bunga Alberto referiu que mais de 180 postes de iluminação pública foram instalados na sede do município. Pelo menos 500 moradores da vila do Bembe vão beneficiar de energia eléctrica a partir de um grupo gerador de 480 KVA, adquirido recentemente pela administração municipal, no quadro do Programa Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza .O município do Bembe possui uma extensão territorial de cerca de 5.350 quilómetros quadrados, duas comunas, 19 regedorias, 118 aldeias e uma população estimada em mais de 49 mil habitantes.

domingo, 14 de agosto de 2011

O enfermeiro MIKO

O pessoal da CART 3451 era uma mais valia para o povo do Lucunga. Os serviços de enfermagem da Companhia estiveram sempre ao serviço da população civil.
Na foto, podemos ver o MIKO, na porta da enfermaria, estaria de serviço, pronto para atender os doentes, militares ou civis.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

EPA-Vendas Novas

Foi lá dentro, naquele terreiro, acompanhado de 80 camaradas de Coimbra que aconteceu o juramento de bandeira da minha incorporação.

Os artilheiros eram fracos, a revolta era grande, o regime tinha muita força, tínhamos de aguentar. O resultado era inevitável, a guerra colonial aproximava-se do fim, acabaria 4 anos e meio depois..

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Autoridades tradicionais satisfeitas

03-08-2011 14:41
Autoridades tradicionais satisfeitas com o grau de desenvolvimento do Bembe
Uíge - As autoridades tradicionais do município do Bembe, província do Uíge, manifestaram hoje (quarta-feira) a sua satisfação com a construção e reabilitação de diversas infra-estruturas sociais, que estão a melhorar as condições de vida da população.

Em declarações hoje à Angop, o presidente da Associação das Autoridades tradicionais do Bembe, Adão Garcia, disse que o município está a conhecer passos importantes para o seu desenvolvimento sócio económico com o surgimento de várias obras de construção.

Como disse, estão a ser reabilitadas as estradas principais, secundárias e terciárias, instalação de postos de energia eléctrica para iluminação pública na sede do município, construção do sistema de captação, tratamento e abastecimento de água potável, melhoramento de qualidade dos serviços de saúde, entre outras acções que garantem o progresso e a satisfação no seio dos habitantes na região.

"Várias escolas primárias, do I e II ciclo do ensino secundário, postos e centros de saúde, residências para os funcionários públicos e outras infra-estruturas, foram construídas nos últimos dois anos nas diversas localidades do município", reconheceu.

Adão Garcia lembrou que a construção do hospital municipal na sede, com capacidade para 70 camas, com um bloco operatório, medicina geral, maternidade, pediatria, banco de urgência e outros compartimentos são acções que têm melhorado significativamente o atendimento de centenas de pacientes oriundos dos diversos pontos do município.

Adolfo Pedro Panzo, outro regedor da localidade do Bonde que dista à sete quilómetros à nordeste da sede do município do Bembe, realçou que a implementação do Programa Integrado Municipal para Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza incentivou a criação de cooperativas, associações de camponesas e pequenas empresas agrícolas na região.

Segundo ele, na sua regedoria, estão controladas quatro associações camponesas compostas por 140 membros distribuídas nas localidades de Quimpemba, Culo, Quienze e Bonde, que produzem mandioca, ginguba, feijão, batata-doce, banana, abóbora e outros produtos agrícolas.

"A criação de associações camponesas e pequenas empresas agrícolas nas localidades tem vindo a contribuir positivamente na redução da fome no seio das famílias bem como no progresso sustentável da região", disse o regedor.

O soba da localidade de Quincanga, regedoria do Quiloge, António Afonso comparou que anteriormente a população da localidade percorria centenas de quilómetros a pé, devido ao avançado estado de degradação que as vias de acesso apresentavam, mas, actualmente os habitantes circulam a vontade e escoam os seus produtos com facilidade para os centros de comercialização.

António Afonso lembrou que, a estrada principal que liga o município do Songo à sede do Bembe e que passa pela sua localidade, foi feita em 1913 pelos primeiros portugueses e só beneficiou de terraplanagem em 2009, facto que está incentivar os habitantes a apostarem no aumento da produção agrícola, visto que actualmente os habitantes já podem comercializar seus produtos alimentares localmente.

O município do Bembe, situado a 135 quilómetros a norte da cidade capital da província do Uíge, está composto por duas comunas, Lucunga e Quimaria, 19 regedorias, 118 aldeias com uma população estimada em cerca de 41 mil habitantes maioritariamente camponeses.

Produzem a ginguba, batata-doce, mandioca, feijão, ervilha, cana-de-açúcar, café, laranja, tangerina, abacaxi, abacates, hortícolas e outros produtos alimentares.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Malária no Lucunga

Registados milhares de casos de malária
Valter Gomes Bembe - 29 de Julho, 2011
A unidade sanitária do Bembe registou muitos casos de malária no primeiro semestre
Fotografia: Filipe Botelho Bembe

Os serviços municipais de saúde do Bembe registaram, este ano, até Junho, 3.741 casos de malária, revelou, ontem, ao Jornal de Angola, a responsável da repartição local do sector. Adelaide Miguel referiu que, apesar do número excessivo de casos registados, apenas uma pessoa morreu devido à doença por chegado tarde à unidade sanitária e que a auto medicação pode provocarmuitos óbitos.


As comunas do Lucunga e Quimaria, além das localidades de Quiloge, Goule, Vale do Loge e os arredores da sede do município, foram as áreas mais afectadas. No Bembe decorrem campanhas de sensibilização sobre medidas de prevenção e de higiene e estão a ser distribuídos mosquiteiros tratados com insecticidas.


Acção de formação


Técnicos de saúde do Bembe participaram, nos dias 25 e 26, numa acção de formação sobre o tratamento da malária, promovido pela repartição municipal do sector.
A acção formativa, orientada pelo coordenador do Programa de Combate à Malária, afecto à Organização Não-Governamental World Vision, Florentino Luís, teve o objectivo de preparar técnicos de saúde em matérias ligadas ao tratamento da doença nas comunidades.“O tratamento da malária grave”, “prevenção da malária em mulheres grávidas”, “o uso correcto dos anti palúdicos”, “como calcular a dosagem do anti palúdico tendo em conta o peso e a idade do paciente” e “tratamento simples” foram tópicos dos temas tratados na referida formação. Adelaide Miguel, chefe da repartição municipal da saúde, pediu aos participantes, no acto de encerramento, que ponham em prática os conhecimentos adquiridos para contribuírem para a redução dos casos de malária na região.


sábado, 6 de agosto de 2011

O BEKA com a princesa.



Mais uma foto do nosso companheiro Alberto Cardoso (BEKA), com a "princesa" ao colo...a bebé está linda, não podia ser doutra forma... filha dum "Falcão" de raça.


O pessoal da CART 3451 vai acompanhando o crescimento da "princesa", através do nosso blogue...força companheiro.


quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Melhorada circulação rodoviária



Melhorada circulação rodoviária entre Mbanza Congo e Tomboco
Víctor Mayala Mbanza Congo - 30 de Julho, 2011
Momento em que o governador provincial inaugurava a ponte sobre o rio Lucunga
Fotografia: Adolfo Dumbo Mbanza Congo

O trânsito automóvel no troço rodoviário entre os municípios de Mbanza Congo e Tomboco, na província do Zaire, está, desde quinta-feira, mais fluido, com a inauguração da ponte sobre o rio Lucunga.

A ponte inaugurada pelo governador Pedro Sebastião, construída de raiz numa estrutura debetão armado, tem 23 metros de comprimento e 8,8 metros de largura. A estrutura, que possui uma capacidade para suportar 60 toneladas, foi executada em quatro meses e meio.

Pedro Sebastião referiu que a inauguração da ponte sobre o rio Lucunga ditou a conclusão dos trabalhos de recuperação de todas as pontes, num total de sete, situadas no referido troço rodoviário.

Nesta altura, salientou o governante, falta apenas a recuperação da ponte sobre o rio Mfula Nguvo, no troço Tomboco/Nzeto.

Estes trabalhos estão quase prontos, restando alguns detalhes para a sua inauguração.

Pedro Sebastião referiu que o governo local está a desenvolver um esforço titânico, no sentido de criar condições expeditas que garantam uma melhor circulação de pessoas e mercadorias, a nível de toda extensão territorial da província.

Neste momento, ainda segundo o governador do Zaire, decorrem, na via entre a aldeia Casa de Telha e o Soyo, trabalhos preliminares de construção de pontes e viadutos, com vista a prepará-los para que possam depois ser asfaltados. O governador Pedro Sebastião notou que o seu gorverno está a concentrar os meios necessários para a desminagem do troço Nzeto/Caxito para, nos próximos dias, se dar início aos trabalhos de reparação.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

O jardim da messe-Lucunga




O jardim era agradável, desenvolveu-se rapidamente, as cadeiras eram feitas dos aros dos barris, eram giras. Recordo as conversas com os companheiros, o "Monsieur Condôa", os camarões e as cervejas que lá bebi, bons momentos.