terça-feira, 31 de maio de 2011

Mais Miss Angola

Outra Miss para arregalar os olhos dos FALCÕES da CART 3451, a beleza angolana no seu melhor.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

ENCONTRO 2011-Album 3/Fafe--Foto 415

Esta foto, merece uma palavra, o minhoto Mangas, grande companheiro, manifestou-se descontente com alguns comentários meus de índole política, aqui no blogue, essa não é a sua missão, ele tem toda a razão.
No entanto, é preciso aclarar, serei sempre, transversal nos comentários porque infelizmente, da esquerda à direita, os políticos que temos são muito fracos, até corruptos, "OS FALCÕES", os portugueses em geral, sofrem com isso...

O 25 de Abril teve uma grande virtude, trouxe liberdade aos portugueses de expessar a sua revolta..."é preciso avisar toda a gente que há fogo no meio da floresta..."

quarta-feira, 25 de maio de 2011

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Notícias do Lucunga



22-05-2011 17:06Angop


Uíge


Mais de 70 camponeses beneficiam de crédito no Bungo


Setenta e oito camponeses, organizados em cinco associações agrícolas, no município do Bungo (Uíge), beneficiaram, neste sábado, de Crédito de Campanha Agrícola, para o combate à fome e à pobreza na comunidade.
Os associados receberam inputs agrícolas e meios de produção, como motosserras, motobombas, enxadas, catanas, fertilizantes, sementes, entre outros, equivalentes a dois milhões de kwanzas, concedido pelo Banco de Poupança e Crédito (BPC).
O acto simbólico que decorreu no mercado rural da Cahama, na regedoria do Dande Lucunga Bungo, foi presenciado pela administradora municipal do Bungo, Helena Antunes Ferraz, que enalteceu a acção que visa facilitar a actividade dos camponeses.
No município do Bungo existem 53 associações de camponeses, com cinco mil 595 associados.

sábado, 21 de maio de 2011

Droga no Lucunga

Consumo de droga preocupa os sobas


alter Gomes Bembe - 18 de Maio, 2011
Sobas e regedores do município do Bembe na província do Uíge desencorajam o consumo e plantação de liamba
Fotografia: Manuel Distinto Bembe


As autoridades tradicionais da comuna do Lucunga, no município do Bembe, estão preocupadas com a plantação e o consumo excessivo de liamba e de bebidas alcoólicas, que contribuem significativamente para o aumento do índice de crimes na localidade. Afonso Salakiaco, regedor do Quipaco, comuna do Lucunga, disse sexta-feira que muitos jovens, quando usam drogas e bebidas alcoólicas acabam por se envolver em actos de vandalismo, provocando uma série de conflitos no seio das comunidades locais. O regedor do Quipaco disse que as autoridades tradicionais da região, em colaboração com a Polícia Nacional, estão a desenvolver acções de combate aos crimes de natureza diversa, que ocorrem com alguma regularidade na comuna. "Nós verificamos, nos últimos anos, um aumento considerável dos níveis de delinquência no seio da juventude, devido ao aumento do número de habitantes nas distintas localidades da comuna e pelo facto de muitos serem fiéis consumidores de liamba, provocando assim o aumento dos casos de violência nos lares, sobretudo contra as mulheres e as crianças", referiu o regedor da localidade de Quindundo, uma localidade que dista cerca de 17 quilómetros a nordeste da sede do Lucunga. Domingos Sousa afirmou que "muitos jovens não têm o desejo de se formar academicamente e muito menos profissionalmente, querem apenas envolver-se em actos de vandalismo, perturbando o silêncio e o bem-estar dos habitantes"."Estamos a estudar a melhor maneira de podermos, de facto, desempenhar um papel preponderante na educação das novas gerações e na denúncia dos vários casos registados no seio da população do Lucunga." O administrador comunal em exercício aconselhou a população, no geral, e a juventude, em particular, no sentido de se absterem de actos de violência, alertando que, de acordo com a lei, os cidadãos envolvidos nestas práticas incorrem num crime gravíssimo, que os pode conduzir à prisão. Gouveia Muanza aposta no diálogo e na realização de acções de sensibilização sobre o resgate dos valores cívicos, morais, éticos e culturais como a principal saída para a redução dos índices de criminalidade, proporcionando com isso a harmonia, o respeito e aplicação das regras de boa convivência no seio das comunidades


Combate à pobreza


O administrador comunal em exercício da comuna do Lucunga, Gouveia Muanza, encorajou os habitantes da região no sentido de se organizarem em associações e cooperativas agrícolas, para poderem contribuir e dar azo às políticas do governo provincial de combate à fome e à pobreza no seio das famílias. "Temos um exemplo concreto dos angolanos recentemente expulsos da República Democrática do Congo, que foram agrupados em associações e, com isso, foi possível fazer o cultivo de plantações diversas, que estão a alimentar muitas famílias", referiu. Lembrou que o governo local está apostado em apoiar as famílias organizadas em associações, cooperativas, pecuárias e pequenas empresas, com créditos agrícolas, sementes, instrumentos de trabalho, máquinas de lavoura e outros meios que visam facilitar o relançamento da produção agrícola. O objectivo é combater a miséria no seio das comunidades, garantindo o progresso acelerado da comuna. O responsável afirmou que existem terrenos férteis suficientes para a agricultura mecanizada, para o rápido desenvolvimento sustentável da região. Gouveia Muanza realçou que a reabilitação das principais vias de acesso da comuna do Lucunga está a facilitar o escoamento dos produtos cultivados na região. "A comuna está numa fase de crescimento equilibrado em todos os sectores, mas devemos fazer muito mais para garantir o bem-estar das famílias, combatendo a miséria no seio das comunidades, principalmente daquelas populações que residem nas zonas mais longínquas da sede comunal", disse. A comuna do Lucunga localiza-se cerca de 44 quilómetros a nordeste da vila do Bembe. Possui uma população estimada em 18.350 habitantes, na maioria agricultores, distribuídos em sete regedorias e 51 aldeias. A mandioca, banana, jinguba, feijão, milho, batata-doce, cana-de-açúcar, laranja e hortícolas são os produtos mais cultivados na região.


domingo, 15 de maio de 2011

Monumento de homenagem aos combatentes

UTW – Ultramar.TerraWeb
Monumentos aos Combatentes e Campas(Listagens e imagens de memoriais e campas de antigos combatentes)
Em memória daqueles que tombaram em defesa de Portugal na Guerra do Ultramar Penamacor[ para visualização dos conteúdos clique em cada um dos sublinhados ]
Listagem dos mortos naturais do concelho dePenamacor Monumento de Homenagem aos Combatentes do Ultramardo Concelho de Penamacor Informação de Manuel Caria Martins 12Mai2011
Vai ser inaugurado no dia 1 de Junho de 2011 Memória Descritiva do Monumento aos Combatentes no Ultramar
· Monumento a ser fixado numa rotunda à entrada de Penamacor, tem como objectivo homenagear oscombatentes da Guerra do Ultramar.
. A expressão artística proposta pelo autor assenta no uso de materiais sólidos, granito e ferro, que de igual modo representam a dureza do tema em questão.
· O plinto (base triangular) representa as três forças armadas.
· O alçado composto por três lajes rasgadas com mapas vazios representam «a perda» de Angola, Moçambique eGuiné.
· A alegoria na forma de chama (o fogo das armas), em ferro policromado com as cores
da bandeira Nacional, pretende coroar a coragem e a fé dos combates.
· Os três focos de luz significam o trio Deus, Pátria e Família de ontem hoje e sempre (imortalidade) da justahomenagem.
· Já os espaços vazios, entreabertos nas lajes, lembram as consequências de ferimentos físicos e psíquicos ainda hoje presentes na nossa sociedade. Nome da escultura: Três FacesMaterial: Granito e ferro policromadoEscultor: Eugénio MacedoFonte: PenamacorCentenaria.blogspot.com-----------------------------------------------
Homenagem aos Combatentes da Guerra do Ultramardo Concelho de Penamacor
Os povos que ao longo dos séculos foram capazes de influenciar a evolução da Humanidade revêem-se e orgulham-se da sua História. Um tal desempenho é sempre assinalado para a posteridade sob a forma de monumentos, filmes, livros, toponímia e outros tipos de registo. O Povo Português tem seguramente lugar entre aqueles que - “dando novos mundos ao mundo”- conquistaram posição marcante em seu percurso histórico. Percurso onde glórias e lutas andamsempre indissociáveis. Cabe às actuais gerações deixar aos vindouros o memorial dos históricos acontecimentosvividos nas últimas décadas, período em que, entre nós, se destaca a chamada Guerra do Ultramar(1961 – 1974) e da qual tem vindo a ser dado público testemunho por todo o País. Nesse duro esforço,a que a Pátria foi chamada, muitos conterrâneos do nosso concelho estiveram envolvidos e alguns deles pagaram a sua dádiva com o sacrifício da própria vida. Ocorrendo neste ano de 2011 o cinquentenário do início daquele conflito bélico, considera-se justo e oportuno homenagear os combatentes naturais do concelho e, antes de todos, os mortos emcombate nos vários teatros de operações. Termos em que os signatários da Comissão Ad hoc abaixo identificada, têm a honra de convidar todos os ex-combatentes, familiares e população em geral, para homenagem a todos os Antigos Combatentes naturais do concelho, com destaque para os que deram a sua vida em nome da Pátria, cuja inauguração ocorrerá no Dia do Concelho, 1 de Junho, p.f. na Vila de Penamacor e de acordo como programa a divulgar oportunamente.
Penamacor, 1 de Março de 2011
Comissão de Homenagem
Dr. Domingos Torrão
Prof. Libério Candeias Lopes
Maj.Gen. João Afonso B. Soares
Fonte: Câmara Municipal de Penamacor

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Ecce homo - Eis o homem a quem devo o rádio e um abraço

A guerra colonial foi pródiga em acontecimentos de toda a espécie, as guerras são assim. Na tentativa de sobreviver os militares usam toda a adrenalina, tomam atitudes absurdas que em tempo de paz incomodam.
Também no Lucunga, com o pessoal da CART 3451, aconteceram alguns episódios caricatos, lamentáveis até, agora, pensando neles, ficamos tristes...
Esta conversa, vem a propósito do email que recebi dum ex-combatente da guerra colonial, em Moçambique que me apraz divulgar, na tentativa de encontrar o ex-guerrilheiro da Frelimo que ficou sem o seu rádio.
Um epílogo feliz, para tranquilizar o nosso ex-combatente, são os meus votos.

Caro ex-Combatente, Luís Cabral!

Venho com muito gosto, convidar-te a visionar uma história de guerra por mim vivida há mais de 40 anos, em Tete, Moçambique, e que ainda está à espera de conhecer um epílogo: procuro um ex-guerrilheiro da Frelimo para lhe dar um abraço e devolver-lhe algo que lhe pertence.

Se gostares conforme espero, nesse caso peço-te por favor que divulgues este episódio. Há um conjunto de razões com raízes fundas em mim que me levam a fazer-te este pedido.

Uma dessas razões facilmente a descortinarás através do visionamento do vídeo publicado no Youtube e de que aqui lhe deixo o respectivo link

http://www.youtube.com/watch?v=KrR0G262dqU

Entretanto, permite-me ainda chamar-te a atenção para um detalhe relevante da história. Trata-se de uma imagem do referido guerrilheiro que segue em anexo. Eu não costumava levar máquina fotográfica para as operações, mas dessa vez aconteceu. Ainda bem, digo-o agora.

A imagem (para mim) é dolorosa por destapar um dramatismo não ficcionado. Se a tivesse de legendar, escreveria:

Ecce homo - Eis o homem a quem devo o rádio e um abraço.

Grato pela tua atenção, envio-te um abraço de camaradagem.

Jaime Froufe Andrade.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Notícias do Lucunga

Antes da conquista da paz havia somente um centro médico que funcionava na sede o que preocupava as autoridades locais

Sector social do município em crescimento
valter GomesBembe - 07 de Maio, 2011
Fotografia: Filipe Botelho-Uíge
A construção de escolas, postos e centros médicos, estradas, pontes, centros materno infantis, residências para os funcionários e de sistemas de captação, tratamento e abastecimento da água potável, entre outras acções que visam a melhoria das condições de vida das populações do município do Bembe, na província do Uíge, asseguram o crescimento acelerado da região. A implementação dos Programas de Investimento Público de 2008/2009 e do Programa Municipal Integrado para o Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza, ainda em curso, estão na base do surgimento de vários empreendimentos sociais que estão a mudar, para melhor, a vida das populações locais. Além disso, com a reabilitação das vias, a circulação de pessoas e bens no município é um facto. Actualmente, está em curso a reabilitação do troço que liga a sede do município à comuna do Quimaria, a 69 quilómetros de distância. O município beneficiou de um grupo gerador de 300 Kva e, neste momento, está a ser feita a colocação de postos para assegurar a iluminação pública nas ruas da vila. O projecto inclui também ligações domiciliárias a mais de 700 residências, unidades sanitárias, estabelecimentos comerciais, escolas, entre outras estruturas.
Cinco dezenas de novas escolas
O sector da educação no município do Bembe também tem vivido avanços significativos nos últimos três anos. O alargamento da rede escolar, que atingiu as duas comunas, Lucunga e Quimaria, regedorias e outras localidades de maior densidade populacional do município contribuiu, positivamente, na redução do elevado índice de crianças que se encontravam fora do sistema do ensino.Depois de alcançada a paz, em 2002, o sector da educação ganhou outro impulso, com a construção de 48 escolas, duas do primeiro ciclo de ensino, uma do segundo, 45 escolas primárias. No presente ano lectivo, foram matriculados cerca de 8.350 alunos, da iniciação à 12ª classe, cujas aulas são asseguradas por um total de 350 professores.
Saúde em expansão
Antes da conquista da paz, o município contava somente com um centro médico que funcionava na sede municipal, situação que preocupava as autoridades locais, atendendo a que muitos pacientes, que residiam nas áreas mais recônditas e distantes da sede, chegavam a percorrer a pé mais de 70 quilómetros de distância para receberem assistência médica. Hoje, o quadro sanitário do Bembe é completamente diferente. Actualmente, o município tem 14 unidades sanitárias, das quais quatro centros médicos, dois centros materno-infantis e nove postos médicos, distribuídos pelas comunas, regedorias e aldeias da região.Há dias, as populações de Bonde, Culo e Macoco beneficiaram de novas unidades sanitárias. São postos médicos com capacidade para quatro camas cada, um consultório, farmácia e casas de banho. Na sede comunal de Lucunga, o governo construiu um centro materno-infantil com 18 camas, um banco de urgência, área da puericultura, pediatria, planeamento familiar, pré-natal, área de aconselhamento e testagem voluntária de VIH/SIDA, PAV, entre outros compartimentos. O Bembe vai ainda passar a dispor de um hospital com capacidade para 70 camas, bloco operatório, área de hemoterapia, medicina geral, banco de urgência, armazém de medicamentos e materiais gastáveis, além de outros compartimentos, cujas obras de construção avançam para a fase conclusiva.O sector é assegurado por um médico especializado em medicina geral e 37 enfermeiros, entre técnicos médios e básicos.
Água potável acessível
A população do município consome água potável através de um sistema de captação, tratamento e fornecimento, construído em 2009, no âmbito do programa “Água para Todos”. O sistema possui uma conduta de distribuição e um tanque com capacidade para três mil litros, lavandarias e oito chafarizes. Mais de dois mil habitantes residentes na vila beneficiam do precioso líquido.
Produção agrícola
O chefe da estação municipal para o Desenvolvimento Agrário, Sebastião Laurindo, destacou a criação de Associações e Cooperativas Agro-pecuárias, e a localização de terrenos mais férteis para o fomento agrícola. Sebastião Laurindo avançou que, neste momento, o sector da agricultura está a proceder ao levantamento do número de famílias interessadas em se filiarem nestas colectividades. O objectivo, segundo explicou, é de acelerar a produção e cumprir as obrigações expressas no programa do Governo, que se destinam a combater a fome e a pobreza no seio das populações locais.“As localidades de Lucunga, Vale do Loge e os bairros periféricos da sede do município, são as áreas escolhidas para o relançamento da produção agrícola e, posteriormente, criarmos outras associações na comuna de Quimaria”, disse. No município, avançou que a instituição controla 20 associações de camponeses, sendo três cooperativas agrícolas e duas pecuárias, que albergam, no total, 616 membros, que já procederam à plantação de mandioca, milho, jinguba, feijão-frade, batata-doce e rena, além de hortícolas, num espaço territorial com mais de 45 hectares. Na presente época agrícola foram preparados cerca de 300 hectares de terra. “Os hectares definidos para a presente época agrícola, quando forem concluídos vão garantir uma colheita de cerca 30 toneladas de produtos diversos”, referiu, acrescentando que a falta de sementes agrícolas constitui uma das maiores dificuldades no processo do aumento da produção. “Os associados estão actualmente a realizar uma agricultura manual, facto que poderá contribuir para a baixa produção alimentar”, afirmou.
Algumas prioridades
O administrador municipal do Bembe, José Bunga Alberto, argumentou que a degradação das vias secundárias e terciárias do município tem criado grandes embaraços na circulação de pessoas e no escoamento dos produtos cultivados na região. A aposta da administração é continuar a garantir melhores condições de vida às populações locais, criar abertura de mais postos de trabalho e a promoção de cursos de formação técnica e profissional para a juventude local.O município do Bembe está situado a cerca de 135 quilómetros a Norte da cidade do Uíge. Com uma população estimada em mais de 40 mil habitantes, maioritariamente camponeses, o concelho é subdividido por duas comunas, nomeadamente, Lucunga e Quimaria, 19 regedorias e 118 aldeias. A batata-doce, milho, feijão-frade, banana, ervilha, mandioca, jinguba, laranja, tangerina, abacaxi, café, cana-de-açúcar e hortícolas, são os produtos mais cultivados na região. Bembe possui uma extensão territorial de cerca de 5.350 quilómetros quadrados.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

CART 3450 -Convívio Anual 2011

Companhia de Artilharia 3450
Falcões – Bravos e Sempre Leais
Chimacongo - Angola
1971-1974

C o n v í v i o A n u a l – 2011

Caro Amigo e Camarada de Armas:

Comparece para revivermos um pouco do nosso passado comum no dia

28/Maio/2011 (sábado).

Estamos a tentar seja celebrada missa pelas 12H00. Logo que tenha confirmação enviarei SMS.O almoço-convívio será no conhecido

Restaurante A Varanda do Parque
Centro Nacional de Exposições (Feira do Ribatejo)
Tel. 243 306 600Telm. 919 617 962
SANTARÉM



GPS: 39º 13' 13.66'' N; 8º 41' 51.30'' W
Como chegar a Santarém, ao CNEMA (Centro Nacional de Exposições):
Localização
O Centro Nacional de Exposições tem a particularidade de estar ligado a uma rede rodoviária bastante importante, a A1, Auto-Estrada do Norte (Lisboa/Porto), a A15 (Santarém/Óbidos), à EN3 (Lisboa/Castelo Branco), à nova ponte sobre o Tejo “Ponte Salgueiro Maia” (IC10) e às Auto-Estradas do Sul (A2, A6 e A13), tornando-se assim um acesso bastante fácil de todo o país.O Centro encontra-se a 45 minutos do Aeroporto da Portela – Lisboa e a 5 minutos da Estação de Caminhos de Ferro de Santarém.


Coordenadas GPS:
39º 13' 13.66'' N8º 41' 51.30'' W
A distância (em Km) às principais cidades do País é:
Coimbra 137
Faro 299
Lisboa 65
Porto 254


EMENTA (ainda não é definitiva!):
Entradas:
· Melão c/ presunto, canapés, Salgados, queijos, fumados, enchidos grelhados azeitonas, camarão. Águas, sumo de laranja e vinho da casa Bridão b/t, vinho leve Plexus.
Almoço sentado e servido à inglesa directo:
· Creme de legumes; Bacalhau gratinado c/ camarão e espinafres; Vitela mirandesa no tacho; Águas, sumo de laranja e vinho da casa b/t vinho verde.
· Doces tabuleiro sortido, café.
Lanche às 17,00 horas
· Caldo verde, águas.

Vem para ficares na fotografia deste ano!

Em tempo: poderão consultar blogue criado pelo ex-FUR Pina sobre a CART 3450 cujo endereço é:
http://castelodefaria.blogs.sapo.pt/2445.html

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Portugal "país colônia" da CEE


Portugal “país colônia” da CE

De colonizador nos cinco continentes chegou a colonizado, com o governo Democrático de mentirinha, subserviente à vontade do FMI e CE. Aparenta o que não é para os otários internos, que acreditam ter eleito quem os governe.
Infelizmente, só assim, este governo de tetas, tretas e mutretas vai ser controlado, e o povo é que recebe a conta, pagando os olhos da cara , sem sobras para a digna lápide de valente, brioso desbravador guerreiro português..., que foi.

Postado por Carlos Alberto da Costa Liberto, no blog, lapis de pedra

terça-feira, 3 de maio de 2011

Encontro de Falcões

1 comentários:

Fernando Reis disse...
Estava na internet procurando noticias do Bart 3860 e ao entrar no blogue da Cart 3451, qual não foi a minha admiração quando ao ver fotos do vosso ultimo almoço deparo com alguem com quem me dou - o Alvaro Pacheco - e chego à conclusão, após 40 anos, que fizemos parte do mesmo batalhão, ele no Lucunga, eu na Damba. Isto só foi possivel pela existência do blogue -ao seu criador os meus agradecimentos e prova como o mundo é pequeno. Já hoje telefonei ao Alvaro.

Fernando Reis/ex-Fur. Mil./CCS/Damba
30 de Abril de 2011 23:47


Alegra-me que o nosso blogue esteja a cumprir bem a sua função, servir de PONTO DE ENCONTRO de todos os FALCÕES. Espero que o Fernando Reis volte, colaborando, trazendo notícias de outros companheiros. Um da CCS que anda desaparecido, é o Ribeiro (Reco), esteve destacado muito tempo no Lucunga. O Ribeiro vive em Lisboa, foi um dos mentores da obra do "Depósito/Torre de vígia", gostávamos de o rever.

domingo, 1 de maio de 2011

Combate à fome no Bembe-Lucunga



29-04-2011 17:34

Uíge

EDA aposta no combate à fome e pobreza no Bembe


Uíge - O chefe da Estação municipal para o Desenvolvimento Agrário no Bembe, província do Uíge, Sebastião Laurindo, destacou hoje a criação de associações, cooperativas agrícolas e pecuárias, como prioridade no seu programa para o presente ano.
Em declarações à Angop, Sebastião Laurindo disse que a sua área está a levar a cabo, desde o princípio do presente ano, o levantamento de famílias interessadas a participar no programa de cooperativas, associações e pecuárias para o combate à fome e à pobreza, bem como a localização de terrenos férteis para o fomento da produção de diversos produtos alimentares.
"Pretendemos criar novas associações, cooperativas, pecuárias e pequenas empresas que possam contribuir no combate à fome e a pobreza na região o mais rápido possível", afirmou.
Sebastião Laurindo disse que o programa tem por objectivo acelerar a produção e cumprir com as obrigações expressas no programa do governo de combate à fome e à pobreza no seio da população local.
"As localidades de Lucunga, Vale do Loge e nos bairros periféricos da sede do município são as áreas prioritárias para o relançamento da produção agrícola, para posteriormente criarem-se outras associações na comuna de Quimaria", disse, acrescentando que a região do Bembe possui uma terra muito fértil e que não precisa de adubos para a produção de diversos bens alimentares.
O responsável avançou que a nível do município do Bembe estão actualmente controladas 20 associações, três cooperativas agrícolas e duas pecuárias para criação de gado bovino, suíno, ovino e caprino, asseguradas por 616 associados e distribuídos nas diversas localidades do município.
Para a presente época agrícola os associados já trabalharam 45 dos 300 hectares preconizados nesta época para a plantação das culturas de mandioca, milho, ginguba, feijão-frade, banana, batata-doce, batata rena e hortícolas.
"Os hectares preconizados quando forem concluídos vão garantir uma colheita de cerca de 30 toneladas de produtos diversos, apesar de escassez das chuvas que se verificam na região", garantiu Sebastião Laurindo.
Deplorou a falta de instrumentos de trabalho como enxadas, catanas, machados, limas, máquinas para o cultivo de terra e de semear.
Segundo ele, os associados estão a realizar uma agricultura manual, facto que poderá contribuir na baixa produção.