quinta-feira, 30 de junho de 2011

Kindundo-Lucunga

27-06-2011 11:35
Uíge-População da regedoria do Kindundo ganha posto de saúde

Bembe - A população da regedoria do Kindundo, 17 quilómetros a nordeste da comuna de Lucunga, município do Bembe, Uíge ganhou domingo um posto de saúde, no quadro do 98 º aniversário da fundação da vila do Bembe.
A infra-estrutura sanitária, devidamente apetrechada, comporta uma sala de internamento com capacidade para cinco camas, um consultório, sala de partos, farmácia e balneários e foi construida no âmbito do programa integrado municipal de desenvolvimento rural e combate à fome e pobreza.
A obra, com a duração de dois meses, orçou aos cofres do Estado um total de nove milhões e 750 mil kwanzas e foi inaugurada pelo administrador municipal do Bembe, José Bunga Alberto.
Falando no acto de inauguração, o responsável aconselhou a população a cuidar do património que o governo colocou a sua disposição, visto que vai minorar as várias dificuldades que os habitantes têm vindo a enfrentar no que tange a assistência médica e medicamentosa.
José Bunga Alberto encorajou os habitantes da localidade a construírem latrinas, currais, pocilgas, capoeiras e manter a limpeza nas fontes de água para o consumo, com vista a evitar doenças no seio da população.
Na ocasião, incentivou os habitantes da regedoria a aumentarem a produção de alimentos na região, visto que a localidade possui uma terra muito fértil capaz de produzir de produtos alimentares que podem contribuir para a redução da fome na região.
Avançou que, a administração municipal se dispõe de máquinas de lavor que podem ajudar no cultivo de terras e, para o efeito, solicitou os habitantes a organizarem-se em associações camponesas para o bem-estar das famílias.
Ao agradecer o gesto do governo, o regedor adjunto da localidade de Kindundo, Domingos Sousa, disse que o posto de saúde ora inaugurado vai facilitar a assistência médica e medicamentosa dos cerca de dois mil 402 habitantes que têm vindo a percorrer vários quilómetros para à assistência condigna.
A regedoria de Kindundo, situada a 17 quilómetros a nordeste da comuna de Lucunga, é composta por 14 aldeias, 23 autoridades tradicionais e dois mil 402 habitantes, maioritariamente agricultores.
Presenciaram da cerimónia de inauguração, antecedida de cânticos e danças tradicionais, membros do governo, autoridades tradicionais, juventude e população da área.

terça-feira, 28 de junho de 2011

MDN-EXÉRCITO PORTUGUÊS-Esclarecimento

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL
EXÉRCITO PORTUGUÊS

REPARTIÇÃO DE COMUNICAÇÃO, RELAÇÕES PÚBLICAS E PROTOCOLO/GABINETE DO CEME
COMUNICADO INTERNO N.º 01/11
RELATÓRIO DA INSPECÇÃO GERAL DE FINANÇAS – ESCLARECIMENTO

Têm vindo a ser publicadas, nos últimos dias, várias notícias nos órgãos de comunicação social relativas a um relatório da Inspecção Geral de Finanças onde se afirma ter o Exército aplicado uma regra que "carece de suporte legal", designadamente no que se refere aos reposicionamentos remuneratórios efectuados na transição para a Tabela Remuneratória Única.
Em causa está, sobretudo, a aplicação da chamada “regra de arrastamento”, prevista no Novo Sistema Remuneratório, introduzida como "mecanismo de correcção" para evitar que um militar de menor antiguidade progredisse para posição remuneratória mais elevada do que a de militares de posto superior ou maior antiguidade.
Para esclarecimento interno e conhecimento geral dos militares do Exército, informa-se que os “passos” fundamentais dados no processo de transição foram sempre no sentido do extremo cuidado posto na interpretação e aplicação do Decreto-Lei n.º 296/2009 por parte da Instituição Militar, que conduziu a que os três Ramos das Forças Armadas procedessem, exaustivamente, a um trabalho de harmonização prévia de procedimentos, culminando mesmo com a aprovação de instruções técnicas pelos Chefes de Estado-Maior dos Ramos, com o objectivo de se proceder ao correcto enquadramento legal dos procedimentos de execução a realizar.
Assim, e apesar de revestir alguma complexidade o enquadramento legal da matéria em causa, designadamente a aplicação do disposto no artigo 31.º do Decreto-Lei n.º 296/2009, o Exército continua a pugnar pela legalidade nos procedimentos adoptados, estranhando-se, por isso, o teor do despacho produzido por S. Ex.ª o Ministro da Defesa Nacional, recebido pelo Exército nas vésperas de cessação de funções do Governo.
Finalmente importa ainda esclarecer e sublinhar o seguinte:
- O relatório da Inspecção Geral de Finanças está a ser objecto de análise, por parte dos órgãos competentes do Exército, a qual está a ser efectuada em estreita ligação com os outros Ramos;
- As desconformidades apontadas no relatório são transversais aos três Ramos das Forças Armadas e não são exclusivas do Exército;
- O Exército, como sempre fez, continuará a pautar a sua actuação pelo rigoroso cumprimento da lei.

Lisboa, 24 de Junho de 2011

o porta-voz do exército
JORGE MANUEL GUERREIRO GONÇALVES PEDRO
tenente-Coronel

domingo, 26 de junho de 2011

Um escudo colonial

Uma moeda da Angola colonial, o pessoal da CART 3451 lembra-se delas. Infelizmente, a penúria era grande, o dinheiro não abundava nos bolsos dos companheiros.
Agora, nas missões do exército português, o pessoal é bem pago, não lhes falta dinheiro e oportunidades para o gastar, os tempos mudaram, muuuuito...

sexta-feira, 24 de junho de 2011

As mulheres do Lucunga

É pena, se a foto fosse a cores podíamos apreciar os panos do Congo usados por este grupo de mulheres do Lucunga.
Estas mulheres trabalhavam muito, eram autênticas escravas dos homens, cuidavam dos filhos e da lavra, culturalmente era assim. Praticava-se o alambamento, os homens que tinham mais mulheres eram mais ricos. Espero que esta situação se tenha alterado e que as mulheres vivam em plano de igualdade com os homens.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O MIKO e o Lameiras



O MIKO junto do companheiro Lameiras, armado de catana provavelmente para matar alguma cobra nas traseiras da enfermaria.


O Lameiras, alentejano de Cabeça Gorda, Beja, vive no Algarve onde trabalha, raramente aparece nos ENCONTROS anuais. Recordo-me, estávamos na Lembôa, em conversa disse-lhe estava com vontade de comer vegetais, ele lembrou-se de ter visto beldroegas ali perto, foi a elas. Fizemos uma óptima sopa com chouriço, foi a única vez que comi beldroegas e nunca mais me esqueci.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Jacaré no lago da Lembôa

A foto mostra o MIKO, na Lembôa, junto ao lago onde estava um jacaré de mais ou menos meio metro. O cão, provavelmente, estava assustado com a presença de tão horrível bicharoco.


Nas costas do MIKO, era a enfermaria, depois a caserna, mais para a esquerda a messe, em frente a este companheiro, a casa do civil Cardoso, no topo da rua, a administração.

sábado, 18 de junho de 2011

Cerveja EKA

Alem da Cuca e da Nocal, havia a cerveja EKA quem não se lembra ?
O pessoal da CART 3451 bebia muita cerveja, o calor apertava e nada melhor que uma fresquinha para matar a sede. Das 3 marcas, a EKA era a cerveja menos bebida, a preta era a mais gostosa.
A Companhia tinha grandes bebedores, não vale a pena enumerá-los, todos sabemos quem eram, a situação era propícia para beber e o pessoal não se acanhava .

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Fazenda S. Francisco

A foto é do Firmino (Miko)

A Fazenda S. Francisco era visitada regularmente pela CART 3451, fazíamos protecção enquanto decorriam os trabalhos nos cafezais. Os gerentes da fazenda, eram um casal muito jovem, os donos viviam em Luanda, claro...a tropa era muito bem recebida, não havia jogo duplo, como noutras fazendas.


Acordava cedo, dormia no fortim, era mais fresco e seguro, começava o dia, comendo uns belos bifes acompanhados de "Dão Terra Altas" que, nestas ocasiões, me acompanhava sempre. Pessoalmente, gostava de ir para as fazendas, apreciava os sítios, alguns paradisíacos, o trabalho do café era bonito, a movimentação do grão no terreiro, era fantástico. Nunca mais esqueci o café que lá tomava, preparado e torrado, ali mesmo, tinha outro sabor...apesar de tudo, também havia momentos agradáveis.


A vida na fazenda era penosa para os contratados, Bailundos, comiam como diz o Rui Mingas, fuba podre, peixe ruim e ganhavam 50 angolares, porrada se refilares... a gerente da fazenda, uma catraia, era danada para o pessoal...

terça-feira, 14 de junho de 2011

Leila Lopes-Miss 2011

O pessoal da CART 3451, "OS FALCÕES" em geral, gostam de apreciar a beleza angolana,
assim, podemos ver a Miss Angola 2011 no momento da consagração.