terça-feira, 16 de agosto de 2011

Aplicação do programa melhora vida de cidadãos



Administrador; José Bumba Alberto
Aplicação do programa melhora vida de cidadãos
José Bule Bembe - 11 de Agosto, 2011
Vários projectos de impacto social estão a ser aplicados no município do Bembe, uma localidade que dista cerca de 135 quilómetros da sede provincial do Uíge, com vista à melhoria da vida dos habitantes daquela localidade e arredores. O administrador José Bunga Alberto disse que o Programa Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza está a contribuir de forma positiva na materialização dos diferentes projectos de desenvolvimento socioeconómico em curso na região, além de outros já concluídos.A administração está a consolidar uns e a iniciar outros, no domínio da educação e saúde. No primeiro sector, disse José Bunga Alberto, foram construídas, reabilitadas e apetrechadas várias escolas na sede municipal, nas comunas, regedorias e aldeias do município do Bembe.O responsável avançou ainda que foi construída e apetrechada uma escola de três salas na aldeia Masselele, bem como se realizou obras de reabilitação, ampliação e apetrechamento de uma outra de quatro salas, na sede municipal.O administrador José Bunga Alberto disse que se construiu igualmente uma escola de seis salas, na localidade de Gulen, cuja obra arrancou com os fundos do Programa de Intervenção Municipal.A regedoria do Vale do Loge também beneficiou do referido projecto. Nesta localidade, acrescentou, a administração reabilitou uma escola de duas salas e construiu outra de seis, na aldeia Quincunga, comuna do Lucunga.
Quanto à educação, o administrador municipal do Bembe salientou que a situação, no passado, era bastante crítica, tendo em conta que nas aldeias, por exemplo, centenas de alunos dependiam de um único professor, bem como existia uma grande carência de salas.Recentemente, o município ganhou mais de 80 professores, que vão ajudar a superar as dificuldades existentes e que participam, neste momento, num seminário de capacitação para aprimorarem as técnicas pedagógicas a serem utilizadas durante o exercício da profissão. José Bunga Alberto afirmou que no Bembe não existem crianças fora do sistema normal de ensino, embora haja um grupo de alunos que estuda ao relento ou debaixo de árvores, uma vez que o número de escolas ainda é insuficiente para suportar a demanda de meninos matriculados no município.
Saúde caminha bem
Em relação à saúde, segundo o administrador, estão concluídas as obras de reabilitação e apetrechamento do centro materno-infantil do Lucunga e está a ser construído e apetrechado um posto médico na regedoria do Pombo Matombe, um posto de saúde na aldeia Macoco e outro na localidade de Quincunga.Os mesmos estão a melhorar consideravelmente os serviços de assistência sanitária prestados às populações locais, antevendo-se mais melhorias quando terminar a obra de reabilitação do edifício de medicina geral. O município tinha apenas uma unidade sanitária, um centro de saúde, estando agora a criar todas as condições infra-estruturais para transformar o antigo estabelecimento clínico num hospital municipal de referência. A nova unidade está a ser ampliada para oferecer serviços de radiologia, hemoterapia, pediatria, bloco operatório, salas de internamento, ortopedia, estomatologia, entre outros.O administrador avançou que alguns equipamentos de origem italiana já foram adquiridos para apetrechar as diferentes áreas de funcionamento do novo hospital, cujas obras caminham para o fim. No quadro do Programa de Melhoria da Qualidade e Cuidados dos Serviços de Saúde, a administração municipal do Bembe está a tratar da contratação de profissionais para aumentar o número de técnicos na localidade. Bembe possui apenas 32 enfermeiros e três médicos, sendo dois estrangeiros. Conta ainda com seis técnicos, admitidos no último concurso público, estando prevista a contratação de outros.
Agricultura em alta
No domínio da agricultura, o município está a caminhar bem. Mais de 300 hectares de terra foram preparados e distribuídos aos camponeses associados e pessoas individuais capazes de desenvolver a actividade agrícola.O município possui mais de 20 cooperativas e associações de camponeses, que acolhem centenas de agricultores que estão a ser mobilizados para aderirem aos diferentes programas de financiamento bancário em curso no país, como é o caso do “Crédito Campanha Agrícola”. Mandioca, ginguba, banana, feijão, batata doce e rena, laranja, tangerina, abacaxi e hortícolas são os principais produtos cultivados no município do Bembe.
Vias de acesso
Há necessidade de reabilitação de três vias. A primeira prioridade, de acordo com o administrador municipal, é o troço que liga Ntoto à comuna de Quimaria, cuja obra já está em curso. A segunda refere-se ao Lucunga/Uandi Sungo, e depois a via que liga o Ntoto ao Vale do Loge.A intransitabilidade nestas vias condiciona o processo de escoamento dos produtos cultivados em cada uma dessas localidades. Neste momento, segundo o administrador José Bunga Alberto, os agricultores locais produzem apenas pequenas quantidades de produtos, que vão de encontro com as suas capacidades reais de comercialização e consumo.
Energia e água
A água jorra nas torneiras dos chafarizes instalados no município do Bembe, no quadro do programa “Água para Todos”. No Bembe, o fornecimento do produto aos munícipes é feito através de um sistema de captação, bombagem e distribuição instalado na sede do município.Sobre a energia, José Bunga Alberto referiu que mais de 180 postes de iluminação pública foram instalados na sede do município. Pelo menos 500 moradores da vila do Bembe vão beneficiar de energia eléctrica a partir de um grupo gerador de 480 KVA, adquirido recentemente pela administração municipal, no quadro do Programa Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza .O município do Bembe possui uma extensão territorial de cerca de 5.350 quilómetros quadrados, duas comunas, 19 regedorias, 118 aldeias e uma população estimada em mais de 49 mil habitantes.

Sem comentários:

Enviar um comentário