terça-feira, 9 de março de 2010

David Mendes - CART 3452 - Mucaba

O João Celestino reenviou-me este email/comentário ao post de homenagem ao Alferes Milheiro, escrito pelo David Mendes, um camarada que vivei o drama, no inferno da serra da Mucaba.
_____________
Te desejo saúde, assim como aos teus. Eu estou bem graças a Deus, junto dos meus!
O meu filho já me deu o teu e-mail, e estou muito grato pela tua atenção. Já vi o que aconteceu a essa gente de Mucaba. Bom seria se a gente pudesse mudar o mundo!
Quanto ao Alferes Milheiro, eu gostava dele, ainda em S. Tiago da Barra, Viana do Castelo, perguntou-me um dia como é que eu relacionava-me com os meus companheiros, visto alguns deles tinham um temperamento diferente ao meu, porque eu não gostava de estar no meio de confusões, e disse-me: “Eles te tratam bem?” Eu disse-lhe que sim, na verdade todos eram meus amigos.
Quanto à sua morte, nesse dia estávamos o primeiro e o terceiro pelotões em fila indiana. O terceiro estava à frente, e andávamos no trilho usado pelos inimigos. À dada altura houve um pequeno desvio, como que um semi-círculo, que terminava no seguimento de mesmo. O Alferes foi por esse desvio e a mina explodiu com ele. Só se via fragmentos minúsculos do que foi a a parte da perna dele. Aí recebeu o socorro possível visto que eram quase as 5 da tarde, e quando comunicaram para a CCS ou quartel general do ocorrido não puderam meio aéreo para o transportar, já que era impossível, pois o helicóptero tinha de sobrevoar rente à mata, era perigoso.
Passando algum tempo começou a chover e passamos a noite com ele debaixo das árvores pois choveu até o outro dia de manha. Então Tínhamos estado a revezá-lo. Quando chegou a minha vez de estar com ele, ele sempre tirava os braços para fora da manta que lhe tapava, pedindo água. O Crespo fazia tudo o que estava ao seu alcance para minimizar a sua dor. Eu sempre lhe punha a minha mão na testa para ver como estava. Houve um momento em que ficou calmo e vi que ele estava frio. Pensei que com o tempo que estava, era natural estar frio. Chamei o meu Alferes Lima que manda outro ficar com ele um pouco. Depois ouvi a conversa que ele estava morto. Penso que morreu quando estive com ele. Foi uma pena para todos nós ver um camarada fora de combate assim desta maneira.

Celestino, um abraço. Até depois,

David."

2 comentários:

  1. David Mendes é um Camarada de Armas, Caboverdiano, presentemente encontra-se em Almeria Espanha a trabalhar com a sua familia e Filhos, é um excelente ser humano, para ele e sua familia um grande abraço.

    Joao Celestino

    ResponderEliminar
  2. Existe uma nova narração (esclarecimento ao Alf. Andrade da Silva) sobre a morte do Alf. Milheiro, esta pelo cabo enfermeiro Crespo que desde o 1º minuto o acompanhou no seu sofrimento até ao ultimo da sua vida, por esse motivo poderão ir ao blog Eu-Cidadão-Militar me apresento (VIII) MIC.

    Para o amigo Crespo um forte abraço e um bem haja, por este esclarecimento.


    João Celestino

    ResponderEliminar